License to Use and Bankruptcy

Germany's Federal Court of Justice, also known as Bundesgerichtshof, recently ruled on cases discussing how the economic and financial crisis of one company in the licensing chain can subsequently disrupt other elements of the chain and place them into a critical situation. In this context, Rodrigo José M Pedrosa Oliveira, senior associate of São Paulo-based corporate law firm Chiarottino e Nicoletti Advogados and coordinator of its civil litigation department, authored the following article, analyzing the Bundesgerichtshof's recent key decisions and providing legal solutions to protect the “healthy” elements of a company from the negative effects of its “struggling” assets, especially in a bankruptcy scenario.

Posted Tuesday, January 11th 2022
License to Use and Bankruptcy

Sublicensee's rights vis-à-vis the patent holder after the sublicensor's bankruptcy

Imagine that your company “A” has invested millions in the acquisition of an exploitation license of a drug patent. Imagine, yet, that this license is acquired from company “B”, which, in turn, has an exclusive license for exploitation in Brazil, granted by the effective holder of the patent, a foreign company “C”; and that your company “A” pays monthly royalties to “B”, which as well pays monthly royalties to “C”; and that, after a few months of licensing and before company “A” could recover the investments it made, “B” enters into a financial crisis and goes bankrupt; and, due to the bankruptcy of "B", "C" requires the immediate interruption, by "B" and its licensees (including your company "A"), of the licensing of exploitation of the patent throughout the national territory.

This imaginary example – based on real cases judged by the Federal Court of Germany (the Bundesgerichtshof, equivalent to our STJ) – deals with a situation in which the economic and financial crisis of one element in the licensing chain can drag with it the other elements into the “hole”.

This article analyzes possible legal solutions that can protect the “healthy” elements (your “A” company) from the effects of the “struggling” element crisis.

First, it is worth noting that bankruptcy does not entail the automatic resolution (extinction) of "bilateral agreements" (roughly speaking, "exchange", in which each party gives something to receive something in exchange for the counterparty), as is the case of the license agreement, in which the licensor (“C”) allows the licensee (“B”) to exploit the patent in exchange for receiving royalties. This rule is provided for in article 117 of the Judicial, Extrajudicial and Bankruptcy Reorganization Law (“LRJEF”), Law #11.101/2005. The idea enclosed in article 117 is to reduce or avoid the liability increase of the bankruptcy estate and preserve its assets if the fulfillment of the bilateral agreement contributes to this. It is up to the bankruptcy trustee, appointed by a judge, to decide whether or not to fulfill the agreement. Therefore, we understand that any clause for automatic contractual resolution in the event of bankruptcy is not valid, as it “swindles” the relevant provision (that is, which cannot be removed by contractual provision) of article 117.

However, the STJ understands that, if the resolution has validly occurred prior to the decree of bankruptcy (example: there is a provision in the licensing agreement for "automatic" resolution in case of delay in the payment of three or more monthly royalties and, at the time of bankruptcy, there were already four installments in arrears) and, therefore, according to the decision of the trustee, it would not be possible to apply article 117 to “resurrect” the already extinguished agreement (Special Resources Nos. 172.367/PR and 783.032/SC). In other words, in practice, the bankrupt element (“B”) shall be up to date with the fulfillment of its obligations, at least in relation to this specific agreement (licensing) – which is very difficult to imagine in a bankruptcy scenario.

In particular, it seems to us that the most appropriate understanding of article 117, which serves its purpose (preserving and optimizing the goods and assets and enabling greater satisfaction of creditors), is that bankruptcy momentarily suspends the effects of the bilateral agreement (including the resolution for default and the other rights and obligations of the contracting parties) until the decision of the bankruptcy trustee regarding the continuity or not of its fulfillment. In order not to remain in the hands of the undecided trustee, the bankrupt's counterparty ("C") can request to the trustee to make a decision within ten (10) days, under penalty of considering the agreement definitively broken (§§ 1 and 2 of article 117). Thus, if the trustee chooses to comply, the rights of the sublicensee (“A”) are protected.

In fact, in this case (option to fulfill the agreement), we understand that the royalties that were not paid by the bankrupt element ("B") to the licensor ("C") until the date of the bankruptcy order (article 77 of LRJEF) shall be considered bankruptcy credits and only royalties due later shall be paid with the funds from the bankrupt estate. Although LRJEF does not provide for an express rule regarding this topic– as does the German bankruptcy law (the Insolvenzordnung) in its § 105 – this system is imposed by the equality that shall exist between all the bankrupt's creditors: it makes no sense to allow some to receive 100% of their credits, just because they have bilateral agreements in progress with the bankrupt element, while others are relegated to the bankruptcy process, just because they already fulfilled their contractual obligations in full before the bankruptcy.

Thus, it only makes sense for the bankrupt estate ("B") to pay for something that it "will receive" from its contractual partner ("C") after the bankruptcy is determined and not for something that was already incorporated into it (read: the previous patent exploitation).

But what if the trustee of “B” then breaches the agreement with the licensor (“C”) or opts for its non-compliance or non-compliance with the sublicense agreement with the sublicensee (“A”)?

In principle, the extinction of the licensing agreement implies the extinction of the right to exploit the patent and, therefore, to sublicense it. Thus, the resolution (extinction) of the license agreement between "B" (bankrupt and licensee) and "C" (patent holder and licensor) entails the impossibility of complying with the sublicense agreement executed between "B" (bankrupt and sublicensor) and “A” (sublicensee), since, upon termination, the first (“B”) loses the right to dispose of the patent.

However, if the sublicensing agreement is registered with the INPI and the registration has already been published (article 62 of Law 9,279/96), it becomes effective against third parties, including the patent holder (“C”). In other words, the registration of the sublicense agreement has an (almost) real effect, similar to the registration of a deed of purchase and sale of a property at the real estate registry office. Roughly speaking, it is as if the registration conferred autonomy and a life of its own to the right of use of the sublicensee ("A") in relation to the right of use of the sublicensor ("B") and also in relation to the right to the patent of the owner (“C").

The practical consequences of this are:

(1) As of the registration of the sublicense agreement, the right of use of the sublicensee (“A”) is no longer subordinated to the right of use of the sublicensor (“B”), which, therefore, already fully complies with the agreement. Therefore, when bankruptcy occurs ("B"), there is no longer anything to be "fulfilled" by the bankrupt estate, so that the trustee has nothing to decide on. That is, article 117 does not apply in this situation. It is up to the trustee, only, to receive the royalties.

(2) The toughness of the sublicense even in the face of the termination of the main license agreement (between “B” and “C”). This effect is what is known in German law as the right to “protection of succession” (Sukzessionsschutz), provided for in that country's patent law (§ 15 III PatG) and in other laws dealing with intangible property. The idea is to provide the (sub-)licensee with legal protection against the waiver or future modifications of the (sub-)licensor's right.

In the example used here, after the termination of the main licensing agreement (between “B” and “C”), there is, in fact, the interest of “C” in recovering all rights to the patent, without any embarrassment; without even having to live with any sublicenses granted by "B" to third parties. However, weighing the legitimate interests (economic and legal) of "A" (sublicensee) and "C" (patent holder), it is seen that the consequences of extinguishing the sublicense would be much more serious for the sublicensee ("A") than the consequences of its maintenance for the licensor ("C"), who would only have to deal with the sublicense for the contractual term. The loss of the sublicense would result in the loss of all investments made by “A” and, perhaps, would take to the termination of the activity of company A, planned and organized based on the fair expectation that the sublicense would remain intact for the term of the sublicense agreement. Furthermore, if the patent holder (“C”) grants an exclusive use license to the sublicensee (“B”), he is admitting the sublicensing to third parties and, therefore, the existence of sublicenses.

The question that remains is the payment of royalties. If “B” loses the license to use it, he can no longer enjoy any benefits arising from the patent. Therefore, although the sublicense remains valid (provided the sublicense agreement is registered with the INPI), “B” can no longer receive royalties from “A”. If it does, it will do so “at the expense of someone else”, that is, at the expense of the patent holder (“C”). This situation is what the law calls “unjust enrichment” (Articles 884 to 886 of the Civil Code). So that this "unjust enrichment" does not occur, the main licensor ("C") may (and should) require the licensee ("B") to transfer its contractual position as a sub-licensor in the sublicense agreement, so that he, the licensor (“C”), starts to receive the royalties directly from the sublicensee (“A”). The sublicensee (“A”), for its part, cannot oppose this replacement, in compliance with the principle of objective good faith (Articles 113 and 422 of the Civil Code), if it wishes to preserve its right to exploit the patent.

 

(PT-BR) A Licença de Uso na Falência

Direitos do sublicenciado frente ao titular da patente após a falência do sublicenciador

Imagine que sua empresa “A” investiu milhões na aquisição de uma licença de exploração de uma patente de medicamentos. Imagine, ainda, que essa licença foi obtida da empresa “B”, que possui, por sua vez, uma licença exclusiva de exploração no Brasil, concedida pelo efetivo titular da patente, a empresa estrangeira “C”; que sua empresa “A” paga royalties mensais a “B”, que, da mesma forma, paga mensalmente royalties a “C”; que, após alguns meses do licenciamento e antes que sua empresa “A” pudesse recuperar os investimentos que fez, “B” entra em crise financeira e vem a falir; que, em razão da falência de “B”, “C” exige a imediata interrupção por parte de “B” e dos licenciados deste (inclusive sua empresa “A”) da exploração da patente em todo o território nacional.

Esse exemplo imaginário – baseado em casos reais julgados pelo Tribunal Federal da Alemanha (o Bundesgerichtshof, equivalente ao nosso STJ) – trata de uma situação em que a crise econômico-financeira de um elo da cadeia de licenciamento pode arrastar consigo para o “buraco” os demais elos.

Este artigo analisa possíveis soluções legais que possam resguardar os elos “sadios” (sua empresa “A”) dos efeitos da crise do elo “adoentado”.

Em primeiro lugar, vale observar que a falência não acarreta a resolução (extinção) automática de “contratos bilaterais” (grosso modo, “de troca”, em que cada parte dá algo para receber algo em troca da contraparte), como é o caso do contrato de licenciamento, no qual o licenciador (“C”) permite que o licenciado (“B”) explore a patente em troca do recebimento de royalties. Essa regra está prevista no artigo 117 da Lei de Recuperação Judicial, Extrajudicial e Falência (“LRJEF”), a Lei 11.101/2005. A ideia embutida no artigo 117 é a de reduzir ou evitar o aumento do passivo da massa falida e preservar seus ativos, caso o cumprimento do contrato bilateral para isso contribua. Cabe ao administrador judicial do falido, nomeado por um juiz, decidir se cumpre ou não o contrato. Por isso, entendemos que eventual cláusula de resolução contratual automática em caso de falência é inválida, pois “burla” a disposição cogente (ou seja, que não pode ser afastada por disposição contratual) do artigo 117.

No entanto, o STJ entende que, caso tenha ocorrido validamente a resolução anteriormente à decretação da falência (exemplo: há previsão no contrato de licenciamento de resolução “automática” em caso de atraso no pagamento de três ou mais royalties mensais e, no momento da falência, já havia quatro prestações em atraso) e, portanto, à decisão do administrador judicial, não seria possível aplicar o artigo 117 para “ressuscitar” o contrato já extinto (Recursos Especiais nºs. 172.367/PR e 783.032/SC). Ou seja, na prática, o falido (“B”) deve estar em dia com o cumprimento de suas obrigações, ao menos em relação a esse contrato específico (de licenciamento) – o que é bem difícil de se imaginar num panorama falimentar.

Particularmente, nos parece que a interpretação mais adequada do artigo 117, que atende à sua finalidade (preservar e otimizar os bens e os ativos e viabilizar uma maior satisfação dos credores), é a de que a falência suspende momentaneamente os efeitos do contrato bilateral (inclusive a resolução pelo inadimplemento e os demais direitos e obrigações dos contratantes) até a decisão do administrador judicial a respeito da continuidade ou não de seu cumprimento. Para não ficar nas mãos do administrador judicial indeciso, a contraparte do falido (“C”) pode interpelar o administrador para que ele se decida em dez dias, sob pena de se considerar o contrato definitivamente rompido (§§ 1º e 2º do artigo 117). Assim, caso o administrador judicial opte pelo cumprimento, os direitos do sublicenciado (“A”) ficam preservados.

Aliás, nessa hipótese (opção pelo cumprimento do contrato), entendemos que os royalties que não foram pagos pelo falido (“B”) ao licenciador (“C”) até a data da decretação da falência (artigo 77 da LRJEF) devem ser considerados créditos concursais e apenas os royalties vencidos posteriormente devem ser pagos com recursos da massa falida. Embora a LRJEF não preveja regra expressa nesse sentido – como faz a lei alemã de falências (a Insolvenzordnung) em seu § 105 –, essa sistemática se impõe pela isonomia que deve existir entre todos os credores do falido: não faz sentido permitir que alguns recebam 100% de seus créditos, apenas porque têm contratos bilaterais em andamento com o falido, e outros fiquem relegados ao processo falimentar, apenas porque já cumpriram integralmente suas obrigações contratuais antes da falência. Assim, só faz sentido a massa falida (de “B”) pagar por algo que ela “irá receber” do seu parceiro contratual (“C”) após a decretação da falência e não por algo que já estava a ela incorporado (leia-se: a exploração anterior da patente).

Mas e se o administrador judicial de “B” depois descumprir o contrato com o licenciador (“C”) ou optar pelo seu não cumprimento ou pelo não cumprimento do contrato de sublicenciamento com o sublicenciado (“A”)?

Em princípio, a extinção do contrato de licenciamento implica a extinção do direito de explorar a patente e, portanto, de sublicenciá-la. Assim, a resolução (extinção) do contrato de licença entre “B” (falido e licenciado) e “C” (titular da patente e licenciador) acarreta a impossibilidade de cumprimento do contrato de sublicenciamento firmado entre “B” (falido e sublicenciador) e “A” (sublicenciado), pois, a partir da resolução, o primeiro (“B”) perde o direito de dispor da patente.

No entanto, se o contrato de sublicenciamento estiver averbado no INPI e a averbação já tiver sido publicada (artigo 62 da Lei 9.279/96), ele passa a ter efeito contra terceiros, inclusive contra o titular da patente (“C”). Ou seja, a averbação do contrato de sublicenciamento tem um efeito (quase que) real, similar ao do registro de uma escritura de compra e venda de um imóvel no cartório de registro de imóveis. Grosso modo, é como se a averbação conferisse autonomia e vida própria ao direito de uso do sublicenciado (“A”) em relação ao direito de uso do sublicenciador (“B”) e também em relação ao direito sobre a patente do próprio titular (“C”).

As consequências práticas disso são:

(1) A partir da averbação do contrato de sublicenciamento, o direito de uso do sublicenciado (“A”) não fica mais subordinado ao direito de uso do sublicenciador (“B”), que, por isso, já cumpre integralmente o contrato. Logo, quando sobrevém a falência deste (“B”), já não há o que ser “cumprido” pela massa falida, de sorte que o administrador judicial não tem sobre o que decidir. Ou seja, o artigo 117 não se aplica nesta situação. Cabe ao administrador judicial, apenas, receber os royalties.

(2) A resiliência da sublicença mesmo diante da extinção do contrato de licença principal (entre “B” e “C”). Esse efeito é o que se conhece no direito alemão por direito de “proteção à sucessão” (Sukzessionsschutz), previsto na lei de patentes daquele país (§ 15 III PatG) e em outras leis que tratam da propriedade imaterial. A ideia é conferir uma proteção legal ao (sub-)licenciado contra a renúncia ou futuras modificações do direito do (sub-)licenciador.

No exemplo aqui utilizado, após a extinção do contrato de licenciamento principal (entre “B” e “C”), há, de fato, o interesse de “C” em recuperar todos os direitos sobre a patente, sem qualquer embaraço; sem ter, inclusive, de conviver com eventuais sublicenças conferidas por “B” a terceiros. No entanto, sopesando-se os legítimos interesses (econômicos e jurídicos) de “A” (sublicenciado) e de “C” (titular da patente), vê-se que as consequências da extinção da sublicença seriam muito mais graves ao sublicenciado (“A”) do que as consequências de sua manutenção para o licenciador (“C”), que teria, apenas, de conviver com a sublicença pelo prazo contratual. A perda da sublicença resultaria na perda de todos os investimentos feitos por “A” e, talvez, no encerramento de sua atividade, planejada e organizada com base na justa expectativa de que a sublicença permaneceria intacta pelo prazo do contrato de sublicenciamento. Ademais, se o titular da patente (“C”) outorga uma licença de uso exclusivo ao sublicenciador (“B”), ele está admitindo o sublicenciamento a terceiros e, portanto, a existência de sublicenças.

A questão que fica é a do pagamento dos royalties. Se “B” perde a licença de uso, ele não pode mais desfrutar de qualquer benefício advindo da patente. Portanto, embora a sublicença permaneça válida (desde que o contrato de sublicenciamento esteja averbado no INPI), “B” não pode mais receber os royalties de “A”. Se o fizer, o fará “à custa de outrem”, ou seja, à custa do titular da patente (“C”). Essa situação é o que a lei denomina de “enriquecimento sem causa” (artigos 884 a 886 do Código Civil). Para que não ocorra esse “enriquecimento sem causa“, pode (e deve) o licenciador principal (“C”), a partir da extinção da licença principal, exigir do licenciado (“B”) a transferência de sua posição contratual de sublicenciador no contrato de sublicença, de forma que ele, licenciador (“C”), passe a receber diretamente do sublicenciado (“A”) os royalties. O sublicenciado (“A”), por seu lado, não pode se opor a essa substituição, em respeito ao princípio da boa-fé objetiva (artigos 113 e 422 do Código Civil), caso queira conservar seu direito de exploração da patente.