Deloitte Ventures chega ao Brasil

Entrada visa fortalecer o ecossistema brasileiro com conhecimento, atividade nos maiores hubs e conexões com grandes players do mercado

Posted mercredi, décembre 21 2022
Deloitte Ventures chega ao Brasil

A Deloitte anunciou no início do mês a chegada do seu braço de investimentos de risco, Deloitte Ventures, no Brasil. A entrada visa fortalecer o portfólio de soluções diversificadas e integradas no mercado, além de fortalecer o ecossistema brasileiro de startups.

“Buscamos ser um player agnóstico em termos de indústria. Com conhecimento intenso do mercado (85% das maiores organizações do planeta são clientes da Deloitte), ativo nos maiores hubs de inovação do mundo e que sabe inovar com ambidestria ajudando grandes corporações a se conectarem a startups e apoiando startups a crescerem e gerarem ainda mais impacto”, contou Glaucia Guarcello, líder de Inovação e Ventures da Deloitte.

A Deloitte já conta com aproximadamente uma década de Corporate Venture Capital, o que permitirá que as startups e empresas brasileiras tenham a oportunidade de acesso à tecnologia, conhecimento, soluções disruptivas para acelerar as inovações e obter ganhos financeiros expressivos.

Atualmente, a Deloitte Ventures está analisando 10 startups, após um deal flow que chegou a quase mil empresas – dentre elas, quatro já fazem parte do comitê de aprovação, enquanto outras quatro se encontram em fase de formalização, com o processo perto da assinatura.

Para facilitar a atuação no país, a Deloitte Brasil firmou parcerias com agentes e hubs de inovação como a Singularity University Brasil e o Cubo Itaú. O Brasil é o quinto país a receber a área de Ventures; Canadá, Reino Unido, Alemanha e Austrália já contam com a iniciativa.

“Para os próximos meses, pode-se esperar uma atividade intensa de fomento ao ecossistema de inovação, seja através de serviços profissionais, aceleração, investimentos e co-desenvolvimentos. A Deloitte será um grande Hub e catalisador da inovação aberta no Brasil”, concluiu Guarcello.

Por: Daniel Dias