Como o home office impacta o mercado de auditoria?

Posted Wednesday, December 29th 2021
Como o home office impacta o mercado de auditoria?

O ano de 2021, com o prolongamento da pandemia, trouxe a consolidação do trabalho remoto e da modalidade híbrida em um número significativo de empresas brasileiras. A modalidade, aprovada por 73% dos brasileiros segundo pesquisa divulgada pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA-USP) e pela Fundação Instituto de Administração (FIA) em setembro, trouxe desafios em especial para empresas de auditoria.

“Nós profissionais de auditoria sempre fomos acostumados a estar presentes nos clientes. Nosso trabalho mais pesado de auditoria acontece mais de janeiro a abril. Quando começou a pandemia em 2020, a gente já tinha encerrado muitos trabalhos. Em 2021, pegamos o ciclo inteiro no regime remoto. Em março de 2020, pensamos que lá para setembro já teríamos vacina e poderíamos voltar pelo menos a um modelo híbrido. Para nós, mais seniors, é mais difícil isso, pois a gente sempre trabalhou ‘face to face’. Para quem está ingressando agora tudo é novo, então não afeta tanto. A gente conseguiu trabalhar graças a nossas ferramentas, que nos auxiliam no trabalho remoto. Ao nosso ver, para quem tem mais experiencia o presencial é insubstituível”, opinou o head de auditoria da RSM, Fernando Medeiros

“O serviço de auditoria é um serviço de confiança. Você tem que conhecer o auditor, e o auditor conhecer a empresa. Tem discussões que só surgem no ambiente ‘face to face’, onde você consegue informações mais precisas, mais detalhadas, questões contábeis mais complexas que existem naquele cliente”, completou José Ricardo Bordignon, líder da prática na Mazars.

Além da mudança na relação entre empresa e cliente, Viviene Alves Bauer, sócia da BDO, alerta também para os riscos do home office na relação entre os próprios auditorias dentro da companhia. 

“O ano de 2021 foi bastante desafiador com a continuidade do trabalho remoto, pois temos que manter a cultura, disseminar conhecimento e revisar tudo à distância. Mas foi muito bom com novas oportunidades”, comentou. 

Novas oportunidades

 

Com o impacto da Covid-19 na economia, empresas de auditoria de menor porte puderam aproveitar o cenário adverso e conquistar mercado. 

“Avalio 2021 como um ano importante, que trouxe novas oportunidades para o setor, tendo em vista a necessidade das empresas em transformar e profissionalizar os seus negócios, bem como pela redução de custos, o que abriu as portas para as firmas de auditoria de pequeno e médio portes a conquistar clientes maiores”, definiu Fabio Debiaze Pino, sócio de auditoria na Crowe

Para Eduardo Coelho, sócio de auditoria da HLB Brasil, houve ainda uma diversificação das possibilidades de negócios para as consultorias.

“O mercado da auditoria cresceu, de um forma geral, pois além das auditorias recorrentes das Demonstrações Financeiras, os auditores tiveram demandas crescentes de serviços também pelas combinações de negócios ocorridas no decorrer do ano, uma vez que no período de pandemia e sua consequente recessão, muitas empresas buscaram saídas nas fusões, aquisições e incorporações, além da retomada dos trabalhos de due dilligence, em um cenário de importância do auditor como peça chave contribuindo para a transparência e a confiança de todos os participantes no ambiente de negócios”, explicou. 

O que esperar de 2022?

 

A previsão é que no próximo ano as empresas que disputam o Middle Market registrem um crescimento de mercado, seguindo a tendência já anotada em 2021.

“Para 2022 nossa expectativa é que o mercado de Auditoria continue em ascensão, com destaque para o agronegócio e para firmas de médio porte que estão se fortalecendo e ganhando participação no mercado”, avaliou Giacomo de Paula, sócio da PP&C Auditores Independentes

Para Octavio Zampirollo, sócio líder de auditoria da Grant Thornton Brasil, é de se esperar uma intensificação do uso de tecnologia e análise de dados nas práticas de auditoria.

“As expectativas do mercado em relação ao uso de tecnologia na auditoria das demonstrações financeiras estão evoluindo. Os desenvolvimentos em tecnologia, tanto nos sistemas de relatórios financeiros usados para iniciar, processar, registrar e armazenar dados para demonstrações financeiras, quanto nas ferramentas e técnicas disponíveis para analisar esses dados, estão resultando em questões sobre recursos de análise de dados voltados para auditoria. Neste sentido, desenvolvemos nossa metodologia sobre como a análise de dados se encaixa em nossa abordagem de auditoria baseada em riscos, com técnicas e ferramentas que podem ser usadas para análise de dados. Acreditamos que o uso do Audit Data Analytics (ADA), será uma tendência contínua para auditorias de demonstrações financeiras”, analisou.

Outro ponto que chama a atenção dos especialistas é a implementação do ISQM, novo conjunto de normas de Gestão da Qualidade que entrará em vigor no dia 15 de dezembro de 2022. 

“Em vez de fazer revisão de qualidade uma vez por ano, é monitorar a qualidade, de modo tempestivo. Tem que ser implementado o controle de monitoramento dentro das auditorias. É um desafio, exige investimento, não tem como implementar essa norma sem investimento”, explicou Fernando Medeiros. 

“A aplicação da ISQM 2 resultará em um impacto importante no sistema de gestão de qualidade das empresas de auditoria, exigindo o estudo e planejamento de sua adoção de forma antecipada, assim como o investimento de recursos para se estruturarem e se adequarem aos padrões internacionais”, completou Eduardo Coelho.

Por: Danilo Motta